Círculo virtuoso

Padrão

A geração de uma consciência honesta, gera renda como consequencia… por aqui, estamos conversando e tentando viabilizar algo semelhante a iniciativa do banco Palmas, de Fortaleza e a do Banco Grameen (“aldeia” ou “rural”, em bengali) em Bangladesh… que aliás, rendeu o nobel da paz de 2006 a o economista Muhammad Yunus, criador de uma rede de microcréditos para pobres que ajudou milhões de pessoas a sair da pobreza em seu país natal.

Então, bons exemplos não faltam…na verdade, fico me perguntando, o que é que está faltando?

Segue abaixo um bom relato, que foi publicado originalmente aqui: Rede Gaia Brasil
Do Grameen ao Palmas
As 42 pioneiras eram fabricantes de móveis de bambu. Hoje o Grameen tem mais de 6,7 milhões de tomadores de empréstimos, o índice de reembolso é de 99% e seu sucesso não é só financeiro, como se vê pela concessão do Nobel. Vale a pena notar, por outro lado, que a iniciativa de Yunus não é única e que já existem experiências semlhantes a essas inclusive no Brasil.

Um caso célebre, menos conhecido do que deveria ser em nível nacional, é o do Banco Palmas, de Fortaleza (CE). Trata-se de uma cooperativa de crédito, fundado em 1998 no Conjunto Palmeira, um bairro pobre da capital cearense, com 30 mil habitantes e renda familiar abaixo de dois salários mínimos, de acordo com relatório produzido por João Joaquim e Sandra Magalhães, da equipe de coordenação do projeto.

Banco Palmas CE
Administrado e gerenciado pelos líderes comunitários, o Banco Palmas foi criado pela Associação de Moradores do Conjunto Palmeiras para enfrentar a pobreza do local, com uma filosofia voltada a criação de uma rede de solidariedade de produção e consumo no bairro. O banco possui uma linha de microcréditos para quem quer produzir (criar ou ampliar um pequeno negócio) no Conjunto e outra que financia quem quer comprar de seus produtores e comerciantes.

Círculo virtuoso
Com isso, incentiva a produção e facilita a comercialização dos produtos da comunidade, fazendo a renda circular no próprio bairro e promovendo seu crescimento econômico, uma estratégia que objetiva criar um círculo virtuoso.

“Quando o João, pequeno artesão que produz sapatos, vende sua mercadoria, está conseguindo recursos financeiros para poder comprar os doces da Maria e esta, as confecções da costureira, que por sua vez corta o cabelo no salão do Paulo e assim por diante”, explicam os coordenadores.

Para financiar o consumo, o Banco criou um cartão de crédito popular, o Palmacard, utilizado somente no Conjunto Palmeira. Ele permite às famílias da comunidade comprarem em qualquer comércio cadastrado do bairro e pagar ao Palmas após trinta dias, em data estabelecida pela própria família. No dia estipulado pelo banco, por sua vez, os comerciantes levam suas faturas ao banco e recebem tudo que venderam por meio do Palmacard, com um desconto de 3% da taxa de administração.

Solidariedade em ação
Os produtores/comerciantes beneficiados pelo sistema se reúnem em assembléias mensais para avaliar o funcionamento do cartão, apresentar sugestões e também contribuem com trabalho voluntário para as ações sociais da Associação de Moradores, como limpeza e preservação de praças, acompanhamento às escolas e postos de saúde, entre outros.

A consciência de que consumir produtos e serviços do bairro ajudam a distribuir renda, gerar riqueza e melhorar a qualidade de vida da comunidade, permitiu ao Banco criar outros instrumentos de comércio solidário, como as feiras semanais dos produtores e uma loja solidária, que funciona na sede do Banco, expondo e vendendo os produtos fabricados no bairro.

O Banco Palmas também apóia a criação de empresas comunitárias que têm se multiplicado. Atualmente, já estão em atividade a Palmafashion, empresa de confecção, a Palmart, de artesanato, a Palmalimpe, de materiais de limpeza, além de um Laboratório de Agricultura Urbana, que ensina as famílias a plantar hortaliças e ervas medicinais, bem como a criar peixes em cativeiro nos quintais de suas residências, para posterior comercialização.

Moeda própria
O banco também mantém uma Escola de Socioeconomia Solidária, que capacita os pequenos empreendimentos locais e trabalha junto aos moradores para a criação de uma cultura solidária, organizando ainda um clube de trocas, que funciona com moeda própria, os Palmares e os Palmeirins.

A política de crédito do Banco Palmas é pautada pelo controle social. “Quando um morador chega ao banco para solicitar um empréstimo”, explicam os coordenadores, “ele é informado das regras de funcionamento da rede de solidariedade e não precisa apresentar nenhum documento ou garantia”.

Ou seja, o banco não pede fiador nem faz consultas ao SPC ou SERASA. “Uma analista de crédito visita a família do solicitante e conversa com os vizinhos. É o depoimento da vizinhança que vai servir de aval para o futuro cliente”. “Resgatar na prática socioeconômica o valor da confiança, do amor ao próximo e da paixão pela vida é a perspectiva filosófica do Banco Palmas”, concluem Sandra e Joaquim.

Economia solidária
Por trás de experiências como a de Mohamad Yunus e do Banco Palmas está o conceito de “economia solidária” que coloca o ser humano como sujeito e finalidade da atividade econômica, em vez da acumulação de capital. A noção surgiu a partir dos princípios do cooperativismo que se desenvolveu a partir da Inglaterra em meados do século 19.

Vale lembrar que os princípios do cooperativismo e da economia solidária não se limitam à área financeira, mas a todo o conjunto das atividades econômicas: produção, distribuição, comércio, etc. Segundo a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), já existem cerca de 8 mil associações dessa natureza no Brasil, atuando nos mais diversos ramos.

*Antonio Carlos Olivieri é escritor, jornalista e diretor da Página 3 Pedagogia & Comunicação. olivieri@pagina3ped.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s